Um voo em cruzeiro concebido há 19 anos por três mosqueteiros e sob comando certo

115

O Centro de Integridade Pública (CIP) apresentou hoje (sexta-feira) o novo director da instituição, Edson Cortez (PhD), que em está exercício desde 01 de Junho de 2018 e homenageou o director cessante, Prof. Dr. Adriano Nuvunga.
Num ambiente simples e carregado de emoção, realizado no pátio da organização, coube a Fidélia Chemane, colega de carteira de Edson Cortez e Adriano Nuvunga, na extinta Unidade de Formação e Investigação em Ciências Sociais (UFICS) da Universidade Eduardo Mondlande apresentar o percurso do CIP e do novo director. “Nós olhamos o CIP como um bebé que nasceu a falar. Mas não é bem assim! O CIP que hoje conhecemos foi pensado há 19 anos, nas carteiras da UFICS, por três mosquiteiros” começou por dizer.

Os três mosqueteiros são Marcelo Mosse, Adriano Nuvunga e Edson Cortez, membros fundadores e pela mesma sequência directores da instituição. Fidélia disse que os três, enquanto estudantes destacaram-se no debate de ideias e “estavam sempre um passo à frente” dos demais e essas ideias resultaram no CIP. Nas palavras da Fidélia, o actual director do CIP é o terceiro dos mosqueteiros a assumir o cargo de director do CIP. Descreveu a sua eleição ao cargo como “uma corrida de estafetas”.

Veja a nota de imprensa na íntegra