Chapas, Polícias e Fiscais: Perigos Abusos e Cultura em Maputo e Matola

Em 2012 em Maputo, 80% das pessoas-viagens ia por via do transporte público—maioritariamente pelos chapas e midibuses privados e, em 2035, será ainda 61% a 70% (Municipal Council of Maputo 2014a:43). Além dos problemas de congestionamento do tráfego causados principalmente pelo alto e crescente número de carros e chapas em Maputo e na Matola, a manutenção de muitos chapas é inadequada e perigosa e os condutores fazem manobras perigosas e, por vezes, mortíferas enquanto é quase impossível denunciar eficazmente estes e os outros abusos dos chapeiros. Prevalece também a corrupção dos polícias municipais e fiscais, a sobrelotação extrema dos chapas, o encurtamento das rotas e os abusos pessoais e financeiros pelos cobradores e condutores, inclusive a rejeição discriminatória de certos passageiros (por ex., idosos) e a insistência do pagamento duplo (o valor da “ligação” acima da viagem normal) para se garantir um assento sobretudo nas horas de pico.

Quem viaja nos chapas conhece na carne a situação. Embora, pela grande parte, as categorias dos problemas sejam conhecidas, a sua frequência e diversidade não têm sido investigadas. Falta também uma análise profunda das medidas viáveis para reduzir ou eliminar os desmandos.

Leia o relatório na íntegra